segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Jerry Lewis (1926 - 2017)

Jerry Lewis foi um adorável palhaço. Ontem tivemos a triste notícia de sua morte, aos 91 anos de idade. Viveu bastante e viveu bem. Além de sua obra cinematográfica maravilhosa, Jerry também se dedicou às causas humanitárias, comandando durante anos um programa de TV, o Teleton, onde angariava verbas para ajudar pessoas com necessidades especiais. Foi justamente em um desses programas ao vivo que ele reencontrou pela última vez seu parceiro Dean Martin. O encontro foi arranjado por Frank Sinatra, amigo de ambos, que tinha esse velho sonho de reunir novamente a dupla de tantos filmes inesquecíveis do passado.

Além de grande comediante, Jerry Lewis foi também um grande ator. Ontem o diretor Martin Scorsese reforçou justamente esse aspecto. Humoristas em geral nem sempre são reconhecidos por serem grandes atores, tanto que a Academia muito raramente premia esses profissionais por suas atuações. Assim como aconteceu com outro gênio da comédia, Charles Chaplin, Jerry nunca levantou o Oscar por seu trabalho em algum de seus filmes, nunca foi premiado por seu genial trabalho no cinema. O máximo que conseguiu em termos de premiações foi ser indicado ao Globo de Ouro por sua atuação em "Boeing, Boeing" de 1966, onde ele interpretava um sujeito mais normal, nada parecido com o seu mais famoso personagem, a do adulto com personalidade de criança que utilizou em tantos filmes ao longo de sua carreira.

Também foi um diretor cheio de criatividade e originalidade. No começo da carreira, principalmente quando ainda formava dupla com Dean Martin, Jerry Lewis teve que atuar sob direção de cineastas como Norman Taurog e Frank Tashlin (com quem realizou seus melhores filmes nos anos 1950 e 1960). Depois quando percebeu que tinha status suficiente para comandar suas produções, o próprio Jerry assumiu o controle. Começou a dirigir seus filmes, a escrever os roteiros, fazendo aquilo que sempre quis, dando asas para sua imaginação fértil. No total dirigiu 23 de seus filmes, começando com "O Mensageiro Trapalhão" e indo até "As Loucuras de Jerry Lewis", já na década de 1980. Um de seus filmes mais interessantes foi "The Day the Clown Cried" sobre um palhaço de circo que era usado para enganar as crianças enquanto elas eram levadas para os campos de concentração do horror nazista. Pelo tema forte demais para a época, Jerry resolveu arquivar a produção para só ser lançada, quem sabe algum dia, após sua morte.

Por fim e não menos importante, Jerry Lewis sempre será lembrado por ter levado o sorriso a milhões de espectadores mundo afora com suas comédias. No Brasil ele virou uma espécie de rei da Sessão da Tarde pois seus filmes eram constantemente reprisados, principalmente nas décadas de 70 e 80. Com isso formou-se toda uma nova geração de admiradores de seu trabalho. Filmes como "Artistas e Modelos", "Ou vai ou Racha", "Bancando a Ama-Seca", "O Rei do Laço", "O Terror das Mulheres", "Errado pra Cachorror" e "O Professor Aloprado", entre tantos outros, sempre serão lembrados por todos que viveram essa época. Ontem a reação ao seu falecimento nas redes sociais foi enorme. Muitos lembrando como ele havia sido o ídolo da infância de tanta gente. Um admirador escreveu: "Com a morte de Jerry se vai parte também da minha infância". Nada poderia definir melhor a sua obra do que essa singela frase. Descanse em paz Jerry Lewis e muito obrigado por seus filmes!

Pablo Aluísio. 

domingo, 20 de agosto de 2017

Filhos do Desprezo

Título no Brasil: Filhos do Desprezo
Título Original: Juvenile Court
Ano de Produção: 1938
País: Estados Unidos
Estúdio: Columbia Pictures
Direção: D. Ross Lederman
Roteiro: Michael L. Simmons
Elenco: Paul Kelly, Rita Hayworth, Frankie Darro, Hal E. Chester, Don Latorre, Richard Selzer

Sinopse:
Após a condenação de um jovem delinquente à pena de morte, o defensor público Gary Franklin (Paul Kelly) promete a si mesmo não mais falhar no tribunal. Ele fica frustrado até o surgimento de um novo caso, envolvendo um jovem acusado de um crime que não cometeu.

Comentários:
Bom filme de tribunal. Hoje em dia a grande atração para os cinéfilos que gostam de filmes clássicos é a presença de uma ainda bastante jovem Rita Hayworth no elenco. Ela interpretava a irmã de um jovem acusado de um crime do qual seria inocente. Quando o filme foi rodado um dos produtores sugeriu que Rita pintasse seu cabelo de loiro porque sua personagem fazia parte de uma família de imigrantes holandeses em Nova Iorque. O teste de câmera não ficou bom, por essa razão ela acabou aparecendo com seus longos cabelos negros que iriam virar sua marca registrada em Hollywood. Esse filme foi recentemente relançado nos Estados Unidos em um box com várias outras produções envolvendo o tema da delinquência juvenil. Por lá os jovens eram julgados como criminosos comuns, adultos, não havendo espaço para a proteção da lei contra menores de idade. O roteiro até que abre margem para um debate maior sobre esse tema, mas se concentra mesmo nos aspectos jurídicos do crime cometido pelo jovem acusado. Um bom filme, curtinho, mas bem eficiente. Além disso trouxe um dos primeiros trabalhos de Rita Hayworth que muito em breve iria se tornar uma das grandes estrelas de Hollywood.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Charlton Heston - Parte 1

O primeiro filme da carreira de Charlton Heston foi realizado quando ele era apenas um adolescente. O filme se chamava "Peer Gynt" e contava a história do rebelde protagonista (interpretado por Heston), um jovem indomável que era praticamente banido de seu vilarejo por causa de seu temperamento fora do comum. Assim ele acabava indo para a floresta, viver no meio da natureza. Duas coisas chamavam bastante a atenção nesse primeiro filme do ator: sua juventude (ele era praticamente um menino alto e magricela) e a direção de David Bradley, que na época tinha apenas 21 anos de idade. É uma produção praticamente amadora, muito rara de se encontrar hoje em dia para se assistir.

Embora Heston sempre lembrasse desse primeiro filme com carinho, ele considerava que seu primeiro trabalho de verdade como ator havia sido "Julius Caesar" de 1950. O filme era uma versão para o cinema da famosa peça teatral escrita por William Shakespeare. Heston só ganhou o papel de Marco Antônio porque a direção foi entregue ao seu amigo David Bradley com quem havia trabalhado em "Peer Gynt". Produzido pelo estúdio Avon, esse filme não foi uma grande produção em termos técnicos, pois não contava com um orçamento generoso. Pelo contrário, foi algo bem mais modesto, onde o elenco se esforçou ao dobro para compensar a falta de maiores recursos. Embora fosse ainda inexperiente, Charlton Heston se saiu muito bem, ganhando os primeiros elogios na carreira. Foi um prenúncio de sua vitoriosa carreira em filmes épicos, principalmente passados no mundo antigo, da Roma clássica dos tempos de Júlio César. Ele sempre fotografava muito bem em trajes do império romano.

Nesse mesmo ano de 1950 o ator fez uma rara participação em uma série de TV. Chamada "The Clock", era um programa semanal que adaptava histórias de terror e suspense da rádio ABC, agora adaptadas para a televisão. Tudo filmado em Nova Iorque, fez com que Heston ganhasse ainda mais experiência, principalmente pelo fato dos episódios muitas vezes serem encenados ao vivo, onde não havia espaço para o erro. Muitos dos episódios dessa série em que Heston atuou se perderam, por causa da precariedade técnica da época. Mesmo assim alguns resistiram ao tempo e foram lançados em uma coleção especial em DVD nos Estados Unidos. Uma peça de colecionador.

Embora tenha sido algo interessante trabalhar na televisão, o ator queria despontar mesmo no cinema. Assim voltou para Hollywood para atuar no filme noir "Cidade Negra". Esse filme foi produzido por Hal Wallis para a Paramount Pictures. Esse produtor foi muito importante na carreira de Charlton Heston pois iria produzir alguns dos maiores filmes de sua carreira nos anos seguintes. "Dark City" era um típico noir da época, com detetives, jogadores desonestos de poker e mulheres fatais. Todo filmado usado técnicas de luz e sombras, ainda hoje chama a atenção por sua fotografia que é muito bem realizada. Dirigido por William Dieterle e tendo no elenco ótimos profissionais como Lizabeth Scott e Viveca Lindfors, foi sem dúvida o primeiro filme de Heston considerado muito bom pelos críticos. Ajudou ainda mais a abrir os caminhos para ele em Hollywood.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

O Tempo Não Apaga

Título no Brasil: O Tempo Não Apaga
Título Original: The Strange Love of Martha Ivers
Ano de Produção: 1946
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Lewis Milestone
Roteiro: Robert Rossen
Elenco: Barbara Stanwyck, Van Heflin, Lizabeth Scott, Kirk Douglas, Judith Anderson, Roman Bohnen

Sinopse:
O ano é 1928. Baseado no romance "Love Lies Bleeding" escrito por John Patrick, o filme conta a história de Martha Ivers (Barbara Stanwyck), uma mulher dominadora e implacável, casada com um homem que tenta manipular de todas as maneiras. Martha tem um terrível segredo envolvendo seu passado, algo que não pode ser descoberto por ninguém.

Comentários:
Drama pesado, assinado pelo talentoso cineasta Lewis Milestone. O filme chegou a ser indicado a um Oscar, na categoria melhor roteiro. Curiosamente a indicação foi para o escritor John Patrick que escreveu o romance que deu origem ao filme e não propriamente ao roteirista dessa produção,  Robert Rossen. Um tipo de erro que alguns anos depois a Academia iria consertar, mudando as regras de indicação a esse prêmio. Outro fato curioso é que o filme fez grande sucesso na Europa (mais do que dentro do mercado americano). Sua trama, bem pesada, calcada em personagens dramáticos e trágicos, foi bem de encontro ao gosto dos europeus. Por essa razão o filme acabou fazendo boa carreira no exterior, inclusive sendo reconhecido no Festival de Cannes daquele ano. Outro fato digno de nota é que esse foi o primeiro filme da carreira do ator Kirk Douglas. Ele interpreta um jovem procurador, ambicioso, mas honesto, chamado Walter O'Neil. Douglas ainda era bem moço, mas já demonstrava aquele carisma forte que iria construir toda a sua carreira, o transformando em um dos grandes astros da história de Hollywood nos anos seguintes. Já Barbara Stanwyck se sobressai bastante com sua atuação ao dar vida a uma mulher com poucos valores éticos, cujas ambições se resumem a ficar rica, seja de que maneira for. Ela inclusive guarda um terrível segredo em seu passado que agora tenta de todas as formas esconder. Enfim, um bom dramalhão dos anos 40, valorizado sobretudo por seu excelente elenco.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

A Praia dos Biquínis

Título no Brasil: A Praia dos Biquínis
Título Original: Bikini Beach
Ano de Produção: 1964
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: William Asher
Roteiro: William Asher, Leo Townsend
Elenco: Frankie Avalon, Annette Funicello, Martha Hyer, Don Rickles, Harvey Lembeck, John Ashley

Sinopse:
Entre várias ondas na praia, o jovem Frankie (Frankie Avalon) tenta conquistar mais uma vez o coração da doce e maravilhosa Dee Dee (Annette Funicello). Para isso porém ele terá que enfrentar mais uma vez as artimanhas de Eric Von Zipper (Harvey Lembeck) e seus motoqueiros e um cientista maluco, que quer provar que adolescentes e primatas possuem os mesmos instintos básicos de acasalamento!

Comentários:
Se você tiver curiosidade em saber como eram os filmes feitos para o público adolescente nos anos 60, uma boa dica é esse filme de verão chamado "Bikini Beach". Estrelado pelo casalzinho sensação da época, Frankie Avalon e Annette Funicello, essas produções eram extremamente lucrativas, porque tinham uma orçamento quase mínimo (esse aqui custou apenas 600 mil dólares!) e conseguiam faturar muito bem nas bilheterias. Essa fita aqui, por exemplo, foi a terceira de uma longa série de fitas rápidas que começaram com "A Praia dos Amores" no ano anterior, sendo seguida de "Quanto Mais Músculos Melhor". Haveria ainda um quarto filme intitulado "Folias na Praia" em 1965. Todos esses filmes foram bastante reprisados no Brasil, na década de 70, na Sessão da Tarde, por isso acabaram bem populares por aqui. Os roteiros eram sempre bem básicos. Avalon e Funicello em eterno namorico pelas praias da Califórnia, sendo importunados pelo motoqueiro maluco Eric Von Zipper (Harvey Lembeck). Tudo realmente muito pueril, inocente, bem de acordo com os padrões da época. Hoje em dia esses filmes, de baixo teor artístico e cinematográfico, servem apenas como curiosidades nostálgicas. Frankie Avalon, por exemplo, até tentou emplacar uma carreira de cantor ao estilo Elvis Presley, mas como ele definitivamente não era Elvis, acabou ficando pelo meio do caminho. De qualquer maneira assista e conheça, nem que seja para matar as saudades de um tempo que não existe mais.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Os Filmes de Vivien Leigh - Parte 2

O filme que fez Hollywood se interessar por Vivien Leigh foi o drama histórico "Fogo Por Sobre a Inglaterra", que se passava nos tempos do reinado da Rainha Elizabeth I. Vivien ficou extremamente bem no filme, com roupas de época. Ela ainda era bem jovem e sua imagem chamou a atenção dos grandes estúdios americanos. O fato desse filme inglês ser exibido nos cinemas dos Estados Unidos serviu como um cartão de visitas da atriz no outro lado do Atlântico.

Esse filme também foi um marco na vida pessoal da atriz pois ela conheceu o ator Laurence Olivier com quem iria se casar futuramente. O fato de ambos serem atores, lutando pela carreira em Londres na pequena indústria cinematográfica local, acabou servindo de atração entre eles. O romance não demorou muito a acontecer, até porque Vivien se sentia bem solitária nos primeiros dias na capital britânica. Seus familiares e amigos ficaram no interior e em Londres ela precisou formar um novo círculo de amigo. Era uma nova vida que começava para ela.

O filme seguinte na carreira de Vivien Leigh foi um filme de espionagem, passado durante a primeira guerra mundial, chamado "Jornada Sinistra". A atriz interpretava uma personagem chamada Madeleine Goddard. Ela era uma espiã francesa em Londres que acabava se apaixonando por um espião alemão, seu inimigo no conflito. O Barão Karl Von Marwitz era interpretado pelo ator Conrad Veidt. Esse filme foi lançado em 1937, dois anos antes da eclosão da II Guerra Mundial. Hitler já estava no poder na Alemanha, mas poucos ainda sabiam que uma nova guerra, pior ainda do que a anterior, estava prestes a varrer a Europa mais uma vez. Para Vivien foi algo até perturbador fazer esse filme, principalmente pelas coisas que estavam prestes a acontecer, com bombardeios alemães diários em Londres, algo que ela própria iria vivenciar.

Nesse mesmo ano Vivien ainda iria atuar em uma comédia romântica bem leve chamada "Tempestade Num Copo D'Água". Ela interpretava uma jornalista investigativa de nome Victoria Gow. Quando o filme começa ela parte em busca de histórias indiscretas envolvendo um figurão da política, mas de forma irônica acabava se apaixonando por ele. O curioso sobre esses três últimos filmes de Leigh é que os três foram lançados no Brasil também, demonstrando que ela já era uma artista conhecida em nosso país, antes mesmo da explosão de "E O Vento Levou...". Vivien ainda não era uma grande estrela, algo que só iria acontecer mesmo com o lançamento desse épico americano, considerado por muitos como um dos maiores filmes de todos os tempos.

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Galeria de fotos - Ann-Margret / Joi Lansing


Ann-Margret
Foto promocional da atriz sueca Ann-Margret. Hollywood sempre teve tradição de importar atrizes estrangeiras para seus filmes. O americano médio, espectador, sempre teve curiosidade em sondar belezas exóticas, principalmente da Europa. Assim Margret foi para os Estados Unidos em busca da fama e do sucesso. O interessante é que desde o começo Ann se especializou em filmes mais voltados para o público jovem e adolescente. Sua estreia se deu com "Dama por um Dia" em 1961, mas seu primeiro sucesso de bilheteria aconteceu mesmo com "Adeus, Amor". Depois de trabalhar até mesmo como dubladora da popular animação "Os Flintstones" ela finalmente estrelou o grande sucesso de bilheteria de sua carreira, "Amor a Toda Velocidade" (Viva Las Vegas, 1964) ao lado de Elvis Presley, com quem acabou tendo um caso amoroso durante as filmagens. Segundo Margret ela só não se casou com o cantor porque ele já estava comprometido com a adolescente Priscilla, que iria se tornar sua esposa em 1968.


Joi Lansing 
Modelo, atriz e cantora, a bela loira Joi Lansing foi bem popular nos Estados Unidos e Europa durante os anos 50 e 60. Ela era considerada mais uma beldade do mundo da moda do que do cinema, mas mesmo assim foi para Hollywood atuar em filmes que acabaram com o tempo se tornando cults. Claro que em Hollywood já existia Marilyn Monroe, considerada a grande atriz da época, porém Joi foi aos poucos abrindo caminho, principalmente por causa de sua beleza, que era realmente marcante. Entre seus filmes mais famosos está o maior musical de todos os tempos, "Cantando na Chuva", e uma das obras primais de Orson Welles, "A Marca da Maldade". A atriz também fez bastante televisão, aparecendo na primeira série do Superman, além de ter atuado nos populares "I Love Lucy" e "Bat Masterson". Joi morreu relativamente muito jovem, em 1972, vítima de câncer de mama.

Pablo Aluísio. 

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Becket, O Favorito do Rei

A história do filme se passa em 1066, na Inglaterra medieval. No trono está o Rei Henrique II (Peter O'Toole). Ele é um monarca insolente, imoral, pouco afeito aos assuntos do Estado. Os prazeres, as mulheres e o vinho são mais importantes para ele. Para gerenciar o governo da nação ele resolve nomear seu grande amigo Thomas Becket (Richard Burton) como chanceler. A Inglaterra sofre há anos com a rivalidade entre normandos e saxões. O Rei é de uma linhagem normanda, enquanto sue novo chanceler é saxão. Embora sua decisão tenha sido acertada o Rei logo descobre que precisa de Becket também em outra função.

A Igreja Católica e seu clero se tornam muito poderosos no reino e Henrique II teme por sua coroa. Assim resolve nomear Becket como o Arcebispo de Canterbury. A decisão choca os católicos ingleses pois Becket jamais havia sido membro do clero. O fato porém é que o Rei impõe sua decisão a todos, contando obviamente com o apoio de Becket dentro da Igreja em seu favor. Só que para sua surpresa o novo Arcebispo começa a levar muito à sério sua função. Quando um nobre mata um padre de seu clero ele exige que seja julgado. O Rei assim fica dividido entre os interesses da Igreja e da nobreza, o que lhe coloca numa saia justa. Pior do que isso, Henrique II se sente traído por Becket, a quem pensava ser seu leal amigo.

Esse filme é realmente excelente. Tem uma ótima reconstituição de época e conta uma história real muito interessante. O mais curioso é que o personagem interpretado por Richard Burton se tornaria santo tanto da Igreja Católica como da Anglicana. Ele foi mártir da fé cristã naquele tempo distante, onde os reis absolutistas tinham todo o poder em suas mãos. Por falar em reis, o Henrique II de Peter O'Toole acabou se tornando uma das maiores interpretações de sua carreira e em se tratando de um ator com tantos clássicos em sua filmografia isso definitivamente não é pouca coisa. O roteiro trabalha com uma sugestão subliminar, muito tênue, tratando a imensa amizade que o Rei tinha com Becket quase como se fosse uma relação homoerótica. Os historiadores ainda debatem sobre essa estranha obsessão do monarca para com seu chanceler e amigo. O filme adota assim um tom de sugestão sutil, embora nunca assuma de uma vez essa delicada questão histórica. No mais é uma produção requintada com ótimos figurinos, trilha sonora, cenários e, é claro, ótimas atuações de todo o elenco.

Becket, O Favorito do Rei (Becket, Estados Unidos, Inglaterra, 1964) Direção: Peter Glenville / Roteiro: Jean Anouilh, Lucienne Hill, Edward Anhalt / Elenco: Richard Burton, Peter O'Toole, John Gielgud / Sinopse: Thomas Becket (Richard Burton), chanceler e amigo do Rei Henrique II da Inglaterra (Peter O'Toole), assume o mais alto cargo do clero católico da nação. Aos poucos porém ele começa a defender os interesses da igreja e não os do Rei, o que acaba enfurecendo o monarca que o considerava seu amigo. Filme vencedor do Oscar na categoria de Melhor Roteiro Adaptado. Também indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Filme (Hal B. Wallis), Melhor Ator (Peter O'Toole), Melhor Ator (Richard Burton), Melhor Ator Coadjuvante (John Gielgud, como o Rei da França, Louis), Melhor Direção (Peter Glenville), Melhor Fotografia (Geoffrey Unsworth), Melhor Figurino (Margaret Furse), Melhor Som, Edição, Direção de Arte e Música. Vencedor do Globo de Ouro nas categorias de Melhor Filme - Drama e Melhor Ator (Peter O'Toole).

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

James Dean O Mito Rebelde - Parte 6

Conforme o tempo foi passando James Dean foi ficando cada vez mais decepcionado com Hollywood. Ele arranjou uma agente e começou a ir em testes para filmes, mas a resposta era sempre negativa. Dean não conseguia papéis e nem trabalho. Chegou a implorar para trabalhar como extra, mas nem nisso foi bem sucedido. Os responsáveis pelas escolhas do elenco davam as mais variadas justificativas para recusá-lo. Alguns diziam que ele não tinha experiência e nem currículo! Outros disseram que ele não tinha altura suficiente! Era uma desculpa esfarrapada atrás da outra.

Sem emprego, sem trabalho no cinema, Dean ouviu atentamente um veterano durante um desses dias em que passou horas para fazer sua audição para um filme qualquer. O velho ator lhe disse: "Você é jovem! O que está fazendo aqui? Vá para Nova Iorque se tornar um ator de verdade! Estude, vá fazer teatro! Você quer começar sua carreira profissional logo como ator de cinema? Primeiro você deve se tornar um ator para só depois, quem sabe, fazer filmes! O verdadeiro ator é o ator de teatro e Nova Iorque é o lugar certo para isso!". Esse sábio conselho tocou James Dean profundamente. O velho tinha razão. Dean então decidiu mudar sua estratégia de vida. Comprou uma passagem de avião para Nova Iorque (paga por sua agente) e na segunda-feira seguinte foi embora de Hollywood, de Los Angeles, e de seus testes medíocres.

Conforme lembraria depois Dean chegou em Nova Iorque com 5 dólares no bolso. Era um tempo frio, com muita chuva, mas nem isso desanimou o jovem ator. Ele adorou o clima da cidade, os bairros de artistas como o Greenwich Village, onde havia oportunidades para todos, pintores, escultores, poetas e... atores! A cidade respirava arte em todos os lugares. Escrevendo para um amigo Dean relatou: "Os primeiros dias em Nova Iorque foram impactantes! Essa grande cidade quase me esmagou! Agora estou mais confortável nela. Adoro caminhar pela Broadway, ver as peças que estão em cartaz! Nova Iorque, essa sim é uma cidade acolhedora!".

O ator gostou tanto da nova cidade que mesmo anos depois quando já era um astro em Hollywood, sempre ia para NY para passar os fins de semana. De fato ele considerava a "Big Apple" como seu verdadeiro lar. Nada de Hollywood com sua sociedade fútil e petulante. Os verdadeiros artistas estavam andando pelas ruas de Nova Iorque, isso Dean afirmou mais de uma vez. O ator tinha razão em amar o novo lar. Em Nova Iorque as coisas finalmente começaram a dar certo. Ele foi aprovado para participar de peças e o mais importante de tudo: foi aceito na prestigiada escola de atores do Actors Studio. Sua vida estava para mudar para sempre!

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Histórias de Rock Hudson - Parte 10

Em meados dos anos 1950 Rock Hudson finalmente assinou seu primeiro contrato com a Universal Pictures. Segundo ele próprio disse a amigos, essa havia sido a sorte grande de sua vida. O contrato tinha duração de sete anos. O estúdio se prontificava a cuidar de tudo no que se referia à carreira de Rock em Hollywood. Ele não precisaria ir mais atrás de filmes ou testes. Os roteiros já seriam enviados para ele com sua escalação no elenco. Com salário fixo e bons rendimentos, Rock ficou eufórico.

Claro que como todo contrato também havia prós e contras. Rock jamais poderia recusar um roteiro ou uma escalação da Universal. Enviado o roteiro era necessário estudá-lo, decorar as falas e começar a trabalhar. Nada de dizer "não" aos executivos. Rock também não poderia recusar entrevistas com a imprensa, viagens promocionais e tudo o mais que a Universal mandasse ele fazer. Para Hudson, que fora marinheiro por longos anos na Marinha americana não havia nenhum problema em seguir ordens. Ele tinha uma disciplina que era mesmo militar. Jamais causou problemas ou criou casos. Pelo contrário, parecia feliz em poder atuar com a Universal, que ele iria considerar dali para frente sua segunda casa.

Uma das primeiras providências de Rock após assinar seu contrato foi comprar uma casa nas colinas de Hollywood. Era uma casa pequena, até simples, mas plenamente satisfatória para ele que era solteiro, sem compromisso ou exigente demais. Rock adorava o lugar, tanto que não perdia tempo em ficar relaxando em sua residência nas horas vagas. Na verdade ele era um sujeito bem caseiro. Só ia a festas, baladas ou premiações quando a Universal exigia sua presença. Quando isso não acontecia Rock gostava mesmo de ficar em casa ouvindo sua coleção de discos (no final da vida Rock iria ter milhares de discos de vinil, dos mais variados artistas em sua discoteca particular).

Outro luxo a que se deu foi a compra de um pequeno veleiro para navegar na costa da Califórnia. Ele havia sido marinheiro a maior parte de sua vida adulta e não queria abrir mão do amor ao mar que havia criado durante os anos na Marinha. Além disso Rock era um expert no que dizia a navios em geral, tanto que sempre dispensou tripulações nas embarcações que comprava. O ideal para ele era mesmo fazer tudo sozinho, para matar as saudades dos tempos em que cruzou os sete mares em um destróier da poderosa marinha de guerra dos Estados Unidos.

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Que Papai não Saiba

Título no Brasil: Que Papai não Saiba
Título Original: Vivacious Lady
Ano de Produção: 1938
País: Estados Unidos
Estúdio: RKO Radio Pictures
Direção: George Stevens
Roteiro: P.J. Wolfson, Ernest Pagano
Elenco: Ginger Rogers, James Stewart, James Ellison, Beulah Bondi, Charles Coburn, Frances Mercer

Sinopse:
Peter Morgan, Jr (James Stewart) é um sujeito todo certinho, professor universitário, que se prepara para seguir os passos de seu avô e seu pai, para um dia se tornar reitor da universidade. Durante uma visita a Nova Iorque ele conhece, se apaixona e se casa com Francey Morgan (Ginger Rogers), uma cantora de night clubs. De volta ao lar ele agora terá que encontrar um jeito de contar isso ao seu pai, um sujeito conservador, linha dura e de mente atrasada, que provavelmente terá um choque e uma explosão de raiva quando souber das novidades.

Comentários:
Esse filme foi lançado um ano antes do começo da II Guerra Mundial. Isso significa que a inocência desse tipo de enredo em breve iria desaparecer diante das atrocidades dos campos de batalha (o próprio James Stewart iria para a guerra). É um roteiro romântico, diria até bem bobinho. Toda a estória gira em torno do medo de um jovem nerd em contar para seu pai (um sujeito dominador e prepotente) que havia se casado com uma dançarina de boates! Tudo o que o velho mais abominaria. Diante do pavor da situação ele retorna para sua velha cidade com sua esposa, mas esconde dos pais que ela é casada com ele. Ao invés disso fica o tempo todo mantendo uma mentira, a de que a garota seria na verdade a namorada de seu primo! Como se pode perceber é uma comédia de costumes ao velho estilo. Tudo baseado numa peça teatral. James Stewart era muito jovem quando atuou nessa produção. Ele ainda estava um pouco distante dos clássicos do cinema que iria estrelar. Imaturo, até com um pouco de falta de jeito, seu estilo mais matuto acabou combinando muito bem com seu personagem. Já Ginger Rogers, que se tornaria imortal na história de Hollywood por causa de seus musicais inesquecíveis ao lado de Fred Astaire, estava mais bonita do que nunca! Ela tinha um excelente timing para a comédia e aqui demonstra bem isso. O filme chegou a ser indicado a dois prêmios técnicos no Oscar, o de Melhor Fotografia (Robert De Grasse) e o de Melhor Som (James Wilkinson). O diretor George Stevens, um dos grandes cineastas de Hollywood durante a fase de ouro do cinema clássico americano, aqui dirigiu um de seus trabalhos mais leves e descompromissados, e mesmo assim acabou sendo premiado no Venice Film Festival como melhor diretor estrangeiro. Não tem jeito, mesmo com produções românticas, leves e ingênuas, esses gênios da sétima arte conseguiam realmente se sobressair.

Pablo Aluísio. 

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Drácula

O livro de Bram Stoker é provavelmente o romance mais adaptado para o cinema, em todos os tempos. São inúmeras as versões. Essa aqui procurou seguir, em linhas gerais, a estória criada por Stoker. Como todos sabemos tudo começa quando o jovem advogado Jonathan Harker (Murray Brown) chega numa região isolada da Hungria (o correto seria a Romênia, mas o roteiro do filme preferiu as terras húngaras). Ele está lá para negociar com um antigo nobre, o Conde Drácula (Jack Palance). Sua intenção é vender propriedades ao redor de Londres. O Conde é um sujeito estranho, de poucas palavras e nada amigável. Seu castelo parece abandonado há décadas e tudo cheira a morte.

Casualmente Drácula vê a foto de uma jovem e ele fica impressionado com a semelhança dela com seu grande amor do passado. Depois dessa introdução (que leva praticamente dois terços do filme) as coisas começam a acontecer rapidamente (sim, a edição não é das melhores). Quando reencontramos Drácula ele já está na Inglaterra, colecionando vítimas. Quem primeiro se interessa pelas mortes é um pesquisador e médico, o Dr Van Helsing (Nigel Davenport). Ele tem teorias próprias sobre o acontecido, entre eles o fato de haver vampiros na cidade, algo que ninguém acredita. Mesmo assim o médico começa a criar um plano para capturar Drácula.

Como se vê o enredo é praticamente o mesmo do livro original escritor por Bram Stoker. Há modificações pontuais, que não mudam sua essência. Para os cinéfilos a grande atração vem do fato do Conde Drácula ser interpretado por Jack Palance. Atuar em filmes de terror era algo completamente novo em sua carreira. Palance fez carreira interpretando cowboys, pistoleiros, em filmes de western e depois grandes e fortes guerreiros em épicos. Nada com contos e histórias de horror. Sua caracterização do famoso vampiro se resume a alguns grunhidos e algumas frases breves que ele declama em tom firme, pautado e quase inaudível (como se fosse um psicopata!). A maquiagem se resume aos dentes postiços. Efeitos especiais são praticamente inexistentes. Com poucos recursos o diretor usa mais de luz e sombra para criar o clima adequado. No geral não chega a ser uma grande adaptação, sendo mais louvável pelo fato de optar por tentar seguir os escritos de Stoker mais ao pé da letra. Fora isso é uma produção bem mediana com resultados igualmente modestos.

Drácula (Dracula, Estados Unidos, 1974) Direção: Dan Curtis / Roteiro: Richard Matheson / Elenco: Jack Palance, Simon Ward, Nigel Davenport / Sinopse: Depois de comprar uma propriedade nos arredores de Londres, o misterioso Conde Drácula (Palance) começa a fazer suas vítimas na região. A série de mortes desperta a atenção do Dr. Van Helsing (Nigel Davenport) que acredita existir um vampiro como o autor das mortes. Logo ele começa uma verdadeira caçada contra a estranha criatura da noite. Filme também conhecido no Brasil como "Drácula - O Demônio das Trevas".

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

O Vale dos Reis

Foi denominado de "vale dos reis" a região no Egito onde os faraós começaram a ser enterrados. Isso se deu pelo grande número de roubos que aconteceram na antiguidade nas grandes pirâmides. Para fugir da ganância dos ladrões de tumbas os faraós começaram a construir suas tumbas nas areias do deserto, em regiões de complicado acesso. A grande maioria dessas tumbas estão localizadas justamente nesse vale dos reis. Infelizmente para os monarcas do antigo Egito essa mudança de estratégia não deu muito certo, porque os roubos continuaram ao longo dos séculos.

Passados milênios é nesse vale dos reis que ganha a vida o explorador Mark Brandon (Robert Taylor). Ele sabe que essas tumbas antigas possuem tesouros fabulosos. Durante uma de suas escavações ele recebe a visita da americana Ann Barclay Mercedes (Eleanor Parker). Filha de um grande pesquisador falecido, ela quer descobrir vestígios arqueológicos que provem a existência histórica de José, um patriarca judeu que viveu no antigo Egito. Assim convida Mark para se juntar a ela nessa pesquisa. O principal ponto seria descobrir a tumba de um faraó chamado Ra Hotep, que teria reinado exatamente na época de José, se tornando o primeiro imperador do antigo Egito a acreditar apenas em um só Deus! Seria ele assim um dos pilares do monoteísmo que iria se espalhar pelo mundo nos séculos seguintes.

Esse é um bom filme de aventuras ao velho estilo. Pode ser considerado até mesmo um antepassado remoto dos filmes de Indiana Jones. Certamente Steven Spielberg e George Lucas tiraram elementos desse "O Vale dos Reis" para criar seu famoso personagem. O interessante é que esse tema era até bem explorado por seriados de aventuras da época, mas não com a pretensa seriedade dessa produção. Tudo é levado muito à sério, embora o roteiro tenha sim alguns deslizes históricos em nome da diversão. No elenco temos o galã Robert Taylor. Ele não era um grande ator, mas até que saiu muito bem aqui. A mocinha interpretada por Eleanor Parker dá mais elementos para dramaticidade, já que seu próprio marido é o vilão da história, um contrabandista de artefatos históricos. Por fim o grande destaque de "O Vale dos Reis" é a sua bonita fotografia (assinada por Robert Surtees), com tomadas filmadas no próprio Egito, no Cairo e nos templos de Luxor. Visualmente o filme é muito bonito, com excelentes sequências, inclusive uma de luta no topo das estátuas de Ramsés II que são de tirar o fôlego, mesmo para os padrões atuais.

O Vale dos Reis (Valley of the Kings, Estados Unidos, 1954) Direção: Robert Pirosh / Roteiro: Robert Pirosh, com informações históricas retiradas do livro "Gods, Graves and Scholars" de  C.W. Ceram / Elenco: Robert Taylor, Eleanor Parker, Carlos Thompson / Sinopse: Ann Barclay Mercedes (Eleanor Parker) é a filha de um renomado pesquisador do antigo Egito, já falecido, que contrata os serviços do escavador de tumbas Mark Brandon (Robert Taylor). Ela quer encontrar a tumba do faraó que reinou durante a vida de José, um judeu citado nas escrituras, no velho testamento. Para alcançar seus objetivos porém ela terá que enfrentar criminosos, contrabandistas e ladrões de tumbas, incluindo seu próprio marido, Philip Mercedes (Carlos Thompson), que só pensa em ganhar dinheiro com os tesouros que vierem a ser descobertos.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Rainha Christina

Título no Brasil: Rainha Christina
Título Original: Queen Christina
Ano de Produção: 1933
País: Estados Unidos
Estúdio: Metro-Goldwyn-Mayer (MGM)
Direção: Rouben Mamoulian
Roteiro: H.M. Harwood, Salka Viertel
Elenco: Greta Garbo, John Gilbert, Ian Keith, Lewis Stone, Elizabeth Young, C. Aubrey Smith

Sinopse:
Após a morte de seu pai em um campo de batalha, a jovem Rainha Christina (Greta Garbo) sobe ao trono. Amante da literatura, da cultura e das ciências, ela deseja mudar radicalmente a Suécia, trazendo um programa de educação em massa para seu povo, algo inédito na época. Ela também tenta negociar uma paz entre católicos e protestantes na Europa.  Enquanto tenta colocar seus projetos em prática acaba se apaixonando por um nobre espanhol. Filme indicado ao Venice Film Festival na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.

Comentários:
A Rainha Kristina da Suécia (1626 - 1689) ficou notabilizada nos livros de história por duas coisas básicas. A primeira foi que ela implantou um dos primeiros sistemas educacionais mantidos pelo Estado, o que trouxe uma mudança radical em seu país. A Suécia que era uma nação de iletrados e camponeses, se tornou uma potência cultural e educacional após seu reinado. O outro fato marcante que iria caracterizar o reinado dessa monarca foi sua conversão ao catolicismo, isso em uma época em que a Suécia era uma das principais potências militares protestantes lutando na guerra dos trinta anos, um conflito de natureza política e religiosa. O roteiro desse filme porém está mais preocupado com o lado romântico da monarca, explorando a paixão que a rainha teria tido por um nobre espanhol. O curioso é que historicamente a Rainha Kristina nunca quis se casar, provavelmente por ser lésbica. Isso iria cair muito bem em relação a Greta Garbo, que também era avessa a ter relacionamentos com homens. Reclusa no final da vida, muitos biógrafos da vida da atriz defenderam a tese de que ela era lésbica também, tal como Cristina. Trazer uma personagem com outra orientação sexual porém era um pouco demais na Hollywood dos anos 1930, então o que temos na tela é uma visão bem romanceada da vida da Rainha sueca. Nada muito polêmico e também nada muito fiel aos fatos históricos. De qualquer maneira, esse filme que foi um dos maiores sucessos da carreira de Greta Garbo, é seguramente também um dos seus melhores momentos no cinema. Com ótima produção, figurinos de luxo e cenários bem elaborados, o filme custou mais de um milhão de dólares, o que na época era um orçamento fabuloso! Todo o requinte passa para a tela, se materializando assim mais um momento memorável do mito Greta Garbo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu. 

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Becoming Cary Grant

Título Original: Becoming Cary Grant
Título no Brasil: Ainda não definido
Ano de Produção: 2017
País: Estados Unidos
Estúdio: Yuzu Productions
Direção: Mark Kidel, Mark Kidel
Roteiro: Mark Kidel, Mark Kidel
Elenco: Cary Grant,  Judy Balaban, Mark Glancy, Barbara Jaynes, Kent Victor Schuelke, David Thomson

Sinopse:
Documentário exibido recentemente nos Estados Unidos pelo canal Showtime mostrando aspectos privados e bem pessoais da vida do ator americano Cary Grant. Baseado em relatos do próprio Grant o filme desvenda a conturbada infância do futuro astro de Hollywood, quando ele foi abandonado pelos pais, indo morar em um orfanato mantido pelo Estado. O filme procura também mostrar sua ascensão rumo à fama e ao sucesso. Documetário indicado no Cannes Film Festival.

Comentários:
Excelente documentário que mostra um lado pouco conhecido da vida do ator Cary Grant. Seu pai internou sua mãe por problemas psiquiátricos quando Grant era apenas uma criança. Sem ter a menor intenção de ter a responsabilidade de criá-lo sozinho, acabou jogando o garoto em um orfanato. Por essa razão Grant levou por toda a vida esse trauma, tentando superar o sentimento de abandono e perda. Também criou uma personalidade mesquinha em relação ao dinheiro. Sua sovinice era lendária, mesmo rico e famoso não jogava suas roupas foras, usando meias furadas, tudo para economizar o máximo possível. O documentário também explora o problema de Grant com as drogas e as bebidas. Ele sempre procurou afogar suas mágoas no copo, em bares por toda a Los Angeles. Em relação às drogas encontrou o LSD nos anos 60 e pensando tratar-se apenas de mais uma substância química que servisse como remédio para seus problemas emocionais foi fundo no uso da droga. O roteiro só traz uma falha digna de nota, ao não explorar a grande amizade que ele teve com outro ator famoso, o cowboy Randolph Scott. Provavelmente para não dar pano para a manga sobre as inúmeras fofocas de que eles tiveram um caso homossexual, os produtores resolveram deixar isso de fora. De qualquer maneira esse "Becoming Cary Grant" é certamente o melhor documentário já realizado sobre esse grande astro de Hollywood, em sua fase de ouro, no auge do inesquecível cinema clássico dos Estados Unidos. Não deixe de assistir.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.